Breadcrumbs

 
 

Os chakras recebem três energias emanadas do Sol: Fohat, Prana e Kundalini.

Sob o nome de Fohat estão incluídas todas as energias físicas, como a eletricidade, o magnetismo, a luz, o calor, o som, a afinidade química, etc.

Prâna ou Vitalidade é o nome dado pelos hindus à energia radiante do sol, que vitaliza tudo o que vive, através da fotossíntese e da respiração.

É extraído pelo chakra esplênico, e transformado em energia física e distribuído ao organismo pelo baço

O Kundalini, junto com o Fohat é responsável pela atividade dos chakras e por manter as correntes prânicas que vitalizam o corpo.

Fohat, Prana e Kundalini são de natureza setenal, isto é, possuem sete graus de vibração. Elas são responsáveis pela vida nos sete planos conhecidos.

A energia primária Fohat precipita-se, perpendicularmente no centro do chakra. Do centro do chakra a força se irradia, então, perpendicularmente, à sua origem (primitiva direção), isto é, no plano da superfície do duplo etérico, em linha reta e em numerosas direções, semelhantes a raios de roda. Essas irradiações que partem dos vértices dos chakras, dividindo-se em pás, dão origem a vibrações secundárias que giram ao redor dos chakras, passando por cima e por baixo dos raios, assim como o vime que constitui o fundo de um cesto circular passa alternativamente por cima e por baixo das varetas que se irradiam do centro.

Energia do Kundalini
Energia do Kundalini

 

Kundalini

Kundalini é uma das energias irradiadas pelo Sol

Ela em sua forma inicial não está apta a ser assimilada pelo ser humano, absorvida pela terra, e lá transformada para ser utilizada pelo homem, animais e vegetais.

O chakra básico é responsável por armazenar esta energia em sete camadas concêntricas.

Somente as camadas mais externas já foram desenvolvidas pelo homem comum, as outras camadas estão em estado latente, aguardando a ascensão espiritual do espírito, para transformar o homem comum em pleno dos poderes espirituais.

A função básica das camadas mais externas do Kundalini é a sustentação da vida. Ela percorre a coluna vertebral etérica, fluindo pelos pedúnculos que ligam os Chakras, formando juntamente com o Fohat, que pela boca do mesmo penetra, o fluído energético que conduz, através de sua corrente o Prana.

O funcionamento das camadas mais internas, que como já dissemos ainda não foi desenvolvido pelo homem comum, é diferente. Elas percorrem o mesmo caminho, porém ativam os Chakras de tal maneira que conferem ao espírito a consciência completa do centro de força correspondente no corpo astral.

Existem exercícios que podem despertar as camadas mais internas do Kundalini, contudo, desaconselhamos veementemente qualquer um a realizar tais exercícios. As conseqüências do despertar prematuro do Kundalini são catastróficas para a evolução do espírito.

Acredito que a melhor explicação sobre o perigo do desenvolvimento prematuro do Kundalini foi dada por C. W. Leadbeater no livro Os Chakras:

 

“No homem comum, o Kundalini está latente no chakra fundamental, sem que em toda a sua vida terrena ele note ou lhe suspeite a presença. E muito melhor é que permaneça assim latente até que o homem tenha feito definidos progressos morais, com vontade bastante forte para dominá-lo e pensamentos suficientemente puros para arrostar sem dano sua atualização.

Ninguém deve tentar manejá-lo sem instruções concretas de um conhecedor do assunto, pois são muito graves os perigos que envolvem

Uma das mais freqüentes conseqüências de ativar prematuramente o fogo serpentino é o de fluir para baixo do corpo em vez de subir, e o de excitar as mais torpes paixões, intensificando-as até o ponto de ser impossível ao homem dominá-las ou sequer resisti-las, porque atualizou uma energia ante a qual está tão perdido como um nadador nas mandíbulas de um tubarão.